10 carreiras que não exigem faculdade e pagam bem

Boa parte das carreiras que não exigem faculdade e pagam bem estão na área de petróleo. É o que mostra um levantamento feito pela Catho com exclusividade para o portal do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon.

Das dez profissões com melhores médias salariais, ao menos cinco estão relacionadas ao combustível fóssil. São elas: operador de exploração de petróleo, supervisor de perfuração e desmonte, mestre (indústria petroquímica e carboquímica), técnico de mineração (óleo e petróleo) e técnico químico de petróleo.

As carreiras foram mapeadas pela Catho no dia 15 de janeiro, em uma base de dados com mais de 2.000 cargos – com e sem formação de nível superior. Segundo a empresa de recrutamento online, os critérios utilizados foram os salários mais altos, excluindo funções com formação universitária e com baixo número de respondentes.

“Os cargos listados no levantamento exigem habilidades específicas, o que dificulta a contratação por parte das empresas. Há escassez de profissionais disponíveis no mercado”, assinala Fabrício Kuriki, gerente de BI (Business Intelligence) da Catho.

De modo geral, diz ele, as empresas se empenham para atrair os melhores candidatos, “principalmente se estivermos falando de cargos de difícil contratação”. “Além de salários mais altos, estes profissionais recebem benefícios diferenciados”, afirma. Segundo ele, dados de pesquisa salarial mostram que profissionais especialistas e sem curso superior possuem benefícios, em média, 52% maiores do que os demais.

“Essa é uma área que, tradicionalmente, paga bem”, corrobora Alexandre Slivnik, diretor da ABTD (Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento), sobre os postos em empresas ligadas à cadeia do petróleo. Em especial, acrescenta ele, porque muitos deles são considerados de risco.

Treinamento para carreiras que não exigem faculdade 

Ainda que não precisem de curso superior, boa parte das carreiras que estão no topo da lista (veja mais abaixo) necessitam de formação. “Essas são áreas bastante técnicas e que exigem uma boa dose de dedicação e manutenção de investimentos em estudos e atualizações”, destaca Kuriki.

Há cursos de capacitação no mercado. Mas também existem empresas que oferecem treinamento, formando trabalhadores com as qualificações necessárias para os postos. Na avaliação do executivo, os profissionais dispostos a enfrentar os desafios de atualização dessas carreiras tendem a colher bons frutos a médio e longo prazos.

Slivnik, da ABTD, discorda. Segundo ele, as ações de empresas da área de petróleo têm se desvalorizado ao longo da última década. O mercado está se focando mais em sustentabilidade – energia limpa ao invés de combustível fóssil.

“Hoje as empresas mais valiosas do mundo são as que trabalham com dados, como Facebook, Google, Amazon, Apple, de tecnologia. Os dados hoje são o novo petróleo”, pondera Slivnik.

Quais são as 10 carreiras que não exigem faculdade e são bem remuneradas

1. Operador de exploração de petróleo 

Média salarial: R$ 4.313,35

O nome já diz: esses profissionais trabalham com equipamentos utilizados na exploração de petróleo, segundo a CBO (Classificação Brasileira de Ocupações, do Ministério do Trabalho). Preparam e operam filtro-prensa, filtros de secagem, tambor, esteira e centrifugadora; analisam amostra de materiais; controlam estoque de materiais e equipamentos e aplicam normas e procedimentos de segurança.

2. Mestre de alto-forno 

Média salarial: R$ 3.954,09

O alto-forno é um dos equipamentos vitais de indústrias como siderúrgicas – é onde o minério de ferro é convertido em ferro líquido. Cabe ao trabalhador supervisionar equipes, controlar processos e administrar metas e resultados. A documentação técnica e operacional e o cumprimento de normas e procedimentos de segurança do trabalho, meio ambiente e saúde também estão sob sua alçada.

3. Supervisor de perfuração e desmonte 

Média salarial: R$ 3.940,47

É função desse profissional supervisionar, coordenar e treinar equipes de trabalhadores da extração mineral e de materiais geológicos que atuem em áreas como minas, perfuração, escavação e transporte. Entre outras tarefas, tem de assegurar o cumprimento de normas de segurança e preservação ambiental, implementar planejamento de produção de minas e orientar atividades de escavação e de transporte de equipamentos.

4. Mestre (indústria petroquímica e carboquímica) 

Média salarial: R$ 3.903,06

Mais uma atividade relacionada ao setor industrial. Quem está nessa função deve planejar e gerenciar processos contínuos de produção química, petroquímica e afins, corrigindo desvios das condições normais de operação. Tem ainda de participar da elaboração de documentos normativos, como instruções de serviço e manuais de operação.

5. Operador de trem de metrô 

Média salarial: R$ 3.448,76

Pela CBO, profissionais dessa área não apenas conduzem e manobram trens, bondes e metrôs, mas também operam teleféricos para transportar passageiros e cargas. Precisam realizar inspeções e vistorias nos veículos e tomar providências para corrigir falhas nos equipamentos, além de realizar procedimentos de segurança, obedecendo sinalização de via.

carreiras que não exigem faculdade

Crédito:Martyn Jandula/Shutterstock 

6. Supervisor de manutenção e reparação de veículos pesados 

Média salarial: R$ 3.436,83

Cabe aos profissionais dessa ocupação supervisionar diretamente as atividades de uma equipe de mantenedores de veículos leves ou pesados. Também devem planejar manutenções e reparos de veículos; controlar a qualidade dos processos e incentivar a equipe para que o trabalho seja desenvolvido em conformidade com normas e procedimentos técnicos, de qualidade, segurança e preservação ambiental.

7. Técnico de mineração (óleo e petróleo) 

Média salarial: R$ 3.239,55

Além de lavrar jazidas minerais, os trabalhadores devem supervisionar processos de beneficiamento de minério. Participam ainda da prospecção e da pesquisa de materiais, coletam amostras e processam dados de prospecção, pesquisa e lavra. Controlam a movimentação da produção final e analisam a qualidade e quantidade do produto mineral.

8. Técnico químico de petróleo 

Média salarial: R$ 2.891,19

A atividade está sob o guarda-chuva das ocupações técnicas de laboratório industrial, segundo a CBO. Quem abraça essa área tem de executar ensaios físicos, químicos, metalográficos e biológicos, bem como garantir a calibração dos equipamentos e realizar amostragem de materiais. Tudo isso seguindo normas de segurança, saúde e meio ambiente.

9. Administrador de edifícios 

Média salarial: R$ 2.065,66

O escopo do trabalho inclui o planejamento de rotinas de trabalho em restaurantes, hotéis, transportes e administração de edifícios; o treinamento de funcionários em hospedagem, transportes e alimentação; e a coordenação de equipes. Atendem clientes em hotéis, bilheterias e restaurantes, avaliam o desempenho de funcionários e verificam a manutenção de instalações, equipamentos e utensílios.

10. Montador de equipamento de levantamento  

Média salarial: R$ 1.695,67

Em resumo, o profissional dessa área monta máquinas agrícolas, de terraplenagem e perfuratrizes, inspecionando e fixando peças e conjuntos mecânicos e abastecendo sistemas hidráulicos, de arrefecimento e de lubrificação. Além desses, também pode responder por equipamentos de levantamento, movimentação e descarga; e de extração e beneficiamento de minérios e rochas.

Diferenças salariais

Para Fabrício Kuriki, gerente de BI da Catho, a diferença de médias salariais entre o primeiro colocado (operador de exploração de petróleo, R$ 4.313,35) e o décimo (montador de equipamento de levantamento, R$ 1.695,67) tem algumas explicações. Uma delas é que “há diversidade de cargos para esse profissional [montador de equipamento], concentrando grande volume de contratações no Brasil”.

Segundo dados da Pesquisa Salarial de Catho, quem tem nível superior recebe, em média, 78% a mais em relação a quem não tem diploma universitário. “Nesse sentido, os salários desses profissionais [com ensino médio] estão mais concentrados em menores faixas salariais.”

This entry was posted in Longevidade e Trabalho and tagged , . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *