Candidíase afeta 75% das mulheres; veja como prevenir e tratar a doença

Coceira incontrolável, mau odor, forte ardência e até mesmo corrimentos esbranquiçado. Esses são alguns dos sintomas da candidíase vulvovaginal, doença que, de acordo com a Associação de Obstetrícia e Ginecologista do Estado de São Paulo (Sogesp), afeta 75% das mulheres.

A doença é causada pelo fungo Candida albicans que existe em pequena quantidade na flora vaginal fisiológica, mas que, quando entra em desequilíbrio, consegue provocar os sintomas.


Tenha acesso aos melhores conteúdos informativos. Clique aqui e faça parte do grupo de Whatsapp do Conecta Longevidade! 


Em períodos de baixa imunidade, o ambiente quente e úmido da região genital favorece a proliferação descontrolada do fungo.

“Além da presença de doenças crônicas como o diabetes, o uso de antibióticos, roupas apertadas e com tecido sintético são fatores que facilitam esse desequilíbrio da flora vaginal e podem provocar a candidíase”, alerta a ginecologista do Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia (IPGO) Paula Bartolai Martins Araujo.

Entretanto, Paula esclarece que a candidíase não aparece apenas no órgão sexual feminino. Seus sintomas também podem aparecer na boca, no esôfago e na pele.

A doença também pode afetar homens, mas, segundo a especialista, somente em casos de baixa imunidade ou higiene precária, devido à própria anatomia masculina que dificulta a proliferação dos fungos.

Relação sexual 

Diferente do que muitas pessoas imaginam, a candidíase não é considerada uma DST (Doença Sexualmente Transmissível), pois é causada por um fungo que já existe no próprio corpo.

“Por isso, a doença pode aparecer até mesmo em pacientes virgens”, explica a ginecologista. A contaminação através do sexo ocorre quando o parceiro está com o sistema imunológico debilitado. “O ideal, portanto, é evitar relações sexuais durante o período de tratamento”, conclui.

Tratamento da candidíase 

O tratamento da candidíase, normalmente, consiste no uso de pomadas antifúngicas (feitas a base de cetoconazol, tinidazol ou clotrimazol, por exemplo) ou medicamentos antifúngicos via oral. A boa notícia é que a doença simples e não recorrente tem tratamento rápido e efetivo com apenas uma dose de medicamento via oral ou em até 10 dias após a primeira aplicação da pomada.

candidíase

Sobre tratamentos alternativos difundidos popularmente, como aplicar iogurte, vinagre ou óleo de coco na área infectada, Paula alerta que são técnicas arriscadas. O paciente pode confundir os sintomas e se autodiagnosticar de forma errada. “Se não for candidíase e, sim, uma infecção bacteriana, o paciente pode piorar o quadro, e provocar uma alergia ou irritação”, informa.

Como evitar a candidíase

Para Paula, a mudança de hábitos alimentares é essencial para prevenir a candidíase. Evitar o consumo de refrigerantes, massas, doces, cereais, frutas e produtos lácteos pode diminuir os riscos de desenvolver a doença, já que esses alimentos podem alterar o pH vaginal.

Além disso, a ginecologista cita outros cuidados que devem fazer parte da rotina diária. Veja abaixo quais são:

  • Mesmo que você não consiga tomar banho logo após fazer exercícios físicos, não deixe de trocar de roupa;
  • Prefira calcinhas que não retenham calor e que sejam feitas com forro de algodão;
  • Quando for à praia, tenha o cuidado de tirar a água salgada do corpo o mais rápido possível;
  • Evite o uso de absorventes diários;
  • Consuma probióticos para ajudar a manter o equilíbrio da flora vaginal;
  • Mantenha a área íntima sempre higienizada e seca;
  • Evite roupas apertadas.
This entry was posted in Longevidade e Saúde and tagged , . Bookmark the permalink.